quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Imagem do dia!


Um amor qualquer

Ela acabou de acordar
são duas horas e nem quis saber,
o sol que há lá fora não quer mais se pôr
e ela só diz pra eu me deitar também.

Chove há duas semanas,
e ela não quer carnaval,
as praças e os bancos,
os gramados e chafarizes,
são todos tão tristes.

Ela acordou muito antes de ir dormir,
e ainda saiu pra ver o mar,
me parece que essa menina
não bate muito bem,
com o frio que faz lá fora
ela vai gripar...

Ela não vive igual a ninguém,
ela só faz do jeito que quer,
ela é tão triste e tão feliz,
ela é sempre o maior amor,
e um amor qualquer.

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Atravessado

Essa noite um sentimento antigo me atravessou,
me tirou da cama num pulo,
foi como um antigo capítulo que eu já havia assistido,
e foi como antes,
foi quando eu fechei os olhos e vi os seus,
quando seus azuis me molharam com as gotas do mar da tua alma,
quando suas lágrimas por mim se derramaram.

E foi como se eu houvesse morrido,
e o mundo inteiro estivesse parado,
os carros da sua rua,
a brisa do mar nas janelas,
a dança da copa das árvores,
as árvores, até elas.

Foi essa parte que me atravessou,
foi bem aí que a vida se acinzentou, e eu cresci,
foi aí que o Rio mudou, que a cidade deixou de bastar,
que os cantos viraram quaisquer cantos,
e as pedras quaisquer pedras,
como se tanto fizesse a morte ou a vida,
e o sumo do teu choro de menina,
me tirasse toda vida colorida.

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Imagem do dia!


Um amanhã

Ando cada vez menos parecido comigo,
hoje passo pelos dias como se não houvesse amanhã,
vivo me esquivando das felicidades da vida,
vivo pra esquecer que você ainda vive...

Bem aqui ao lado, no lugar das nossas estacas,
logo ali no canto, onde víamos o sol acordar,
bem aqui do lado, nas areias do nosso leblon,
logo ali no canto, onde passamos todo aquele tempo bom.

E os dias de céu nublado
vendo o mundo da janela do seu quarto,
hoje são as lembranças mais doces que tenho da vida,
são as coisas mais bobas,
tão boas, mas bobas demais.

Eu ando cada vez mais desacreditado
só arrasto meu corpo roto pelos meus lados sagrados,
eu vivo a cidade, eu penso em esquecer,
eu vivo demais pensando em você...

E os dias de céu nublado
passando tão longe dos seus passos,
são dias iguais, que tiram minha paz,
que levam pra longe
tudo que eu tinha antes...

Bem aqui ao lado, no lugar dos postos sagrados,
logo ali no canto, onde o sol me ensinou a viver,
bem aqui do lado, nas areias de ipanema,
logo ali no canto, onde eu vi meu primeiro poema.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Tudo diferente

Pelas noites que eu faria quase tudo diferente
há tanta coisa, tanta gente,
que é difícil de explicar...

Hoje que é tudo mais claro,
ainda me enrolo, me complico,
e como adicto eu me aplico
pra elas não me esquecerem mais.

E pelas noites que eu faria quase tudo diferente,
tanta coisa, tanta gente,
que eu nem sei porque mudar...

E hoje eu vejo como um direito,
eu prefiro tudo do meu jeito,
não me enrolo e nem complico,
eu me aplico feito um doente,
porque nada, nada deve ser diferente.